SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO: O ESTADO DE COISAS INCONSTITUCIONAL FACE À RESPONSABILIDADE DO ESTADO EM RELAÇÃO À RESSOCIALIZAÇÃO DO APENADO

Maria Cristiane Silva, Mario Henrique Alberton

Resumo


RESUMO: O presente trabalho abordará questões relevantes sobre o sistema carcerário brasileiro, em relação à precariedade e condições desumanas nas quais são submetidos os apenados, com a finalidade de levantar dados importantes sobre a atual situação carcerária do Brasil. Pretende se também propor uma análise da declaração do STF que anunciou a atual condição do sistema carcerário como “Estado de Coisas Inconstitucional”. O principal objetivo da pesquisa é responder ao questionamento se essa medida poderá de fato cessar as violações de direitos fundamentais que permeiam o sistema prisional brasileiro e atender ao alcance da ressocialização do apenado. Sobre essas e outras questões que abrangem o tema pretendemos apresentar medidas para possível solução do conflito a fim de conter o aumento da crueldade praticada nos presídios e para que os apenados possam ter uma chance de reinserir se em sociedade, gerando dessa forma um sistema que cumpre com seu objetivo, e permite ao condenado ao menos uma chance de voltar a ser cidadão. Para tanto, utiliza-se o método dedutivo por meio de pesquisa bibliográfica indireta.

 

PALAVRAS-CHAVE: Sistema carcerário brasileiro; Estado de Coisas Inconstitucional; Ressocialização.

 

 

 

 

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica ao direito penal: introdução à sociologia do direito penal; tradução Juarez Cirino dos Santos. 3º ed. Rio de Janeiro: Editora Revan, Instituto Carioca de Criminologia, 2002.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Falência da Pena de Prisão - Causas e Alternativas. 4. ed . São Paulo: Saraiva, 2011.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Regras de Mandela: Regras Mínimas das Nações Unidas para o Tratamento de Presos /Conselho Nacional de Justiça, Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas, Conselho Nacional de Justiça – 1. Ed – Brasília: Conselho Nacional de Justiça, 2016

BRASIL. Lei de execução Penal. Lei n° 7210 de 11 de Julho de 1984.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Plenário. ADPF 347 MC/DF, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 9/9/2015 (Info 798).

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. Estado de coisas inconstitucional. Salvador: Juspodivm, 2016

CANTO, Dilton Ávila. Regime Inicial de Cumprimento de PenaReclusiva ao Reincidente. (2000). Dissertação (Mestrado em Direito).Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (SC).

COELHO, Daniel Vasconcelos. A crise no sistema penitenciário brasileiro. [on line]. Disponível em:

DIREITO NET. STF reconhece violação a direitos fundamentais no sistema prisional. 09/Set/2015. Disponível em: . Acesso em: Ago. 2019.

DUARTE, Clarice Seixas. A educação como um direito fundamental de natureza social. Educação & Sociedade, v. 28, n. 100, p. 691-713, 2007.

FOUCAULT, Michel.Vigiar e punir. Nascimento da prisão.Tradução de Ligia M. Pondé Vassalo. Petrópolis: Vozes, 1977.

GARCIA, Jesus Cesar. A ressocialização no sistema prisional brasileiro. Revista Saber Acadêmico. N° 22 / ISSN 1980-5950 – GARCIA, J. C. 2016. Disponível em: . Acesso em: Ago. 2019.

GALVÃO, Fernando. Direito Penal: parte geral. 2ª ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

GRECO, Rogério. Direitos Humanos, Sistema Prisional e Alternativa à Privação de Liberdade. São Paulo: Saraiva, 2011.

GRECO, Rogério. Curso de direito penal.volume 1: parte geral. 14. ed., rev., ampl. e atual. Niterói: Impetus, 2012

GRECO, Rogério. Código Penal: comentado. 11. ed. – Niterói, RJ: Impetus, 2017.

KUHENE, Maurício. Lei de Execução Penal Anotada. 11. ed. rev. e atual. Curitiba: Jaruá , 2013.

MELO, Marcos Luiz Alves de. A carência de políticas públicas de ressocialização no sistema carcerário brasileiro. Justificando, jun. 2018.Disponível em: . Acesso em: Ago. 2019.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, Portal de Dados. MJ. Infopen - Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Disponível em: . Acesso em: Ago. 2019

PRADO, Luiz Regis et al (Coord.). Direito de Execução Penal. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

ZAFFARONI, Eugênio Raúl; BATISTA, Nilo; ALAGIA, Alejandro; SLOKAR, Alejandro. Direito Penal Brasileiro - Teoria Geral. 4º ed. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2015.

ZAFFARONI, Eugênio Raúl; PIERANGELI, José Henrique. Manual de direito penal brasileiro - parte geral. 11º ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais LTDA, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil